O céu de cada um....

Apesar do céu ter amanhecido azul na cidade,
Definitivamente é o fim dos tempos,
haja igreja para tanto gente desejando o céu...
já não basta o clima, agora os cientistas
dizem que um meteoro pode colidir com a terra em 2014
Um céu como recompensa é o que espero,
mas que céu é esse,
se o céu do qual eu tenho direito é patronizado pelo cristianismo
com um felicidade e uma monotonia insuportável.

Como podemos patronizar o céu e a felicidade,
se o nosso céu é um inferno.
O meu céu não pode ser igual ao de todo mundo,
cá entre nós, queremos ir para o céu, mesmo que seja esse céu cristão,
com tudo, não conseguimos desapegar do que nos condena ao  inferno.

O céu de um carnavalesco deveria ser feito
de mulatas rebolando eternamente e samba no terreiro a eternidade inteira,
o céu de um banqueiro deveria ser de muito dinheiro e muito,
mas muito.... consumo,
o céu da socialite não pode ser igual ao meu,
eu não suportaria tanta superficialidade,
e ela não suportaria todas as besteiras que falo sem pudor,
o céu das funkeiras deveria ser um proibidão,
o céu de um jogador de futebol deveria ser de loiras mulatas, outras,
mais carros e música de mau gosto,
o céu na verdade deveria ser o Inferno de Dante,
sem diabo e muito fogo, é claro!

Esse céu patronizado não serve nem mesmo  para as mais beatas das beatas
com seus sonhos eróticos e absolutamente molhados.

Que céu você está esperando,
um céu de música instrumental e anjos gordinhos tocando a eternidade inteira,
isso seria um inferno em forma de monotonia.

Passamos a vida inteira desejando um céu,
e no fundo de nós mesmo sentimos que seria uma tortura infernal
ter que suportar anjinhos fofinhos tocando eternamente,
e a gente lá, escutando feito um gato gordo que se deixa no sofá da sala,
na verdade o que desejamos mesmo é o inferno,
mas sabemos que o diabo é malvado
e não nos deixará em paz para curtir nossa lascívia eternamente.
O diabo sempre vem com aquela história de fogo eterno.

Cá entre nós, não somos cisnes brancos!...
se não fosse esse medo da morte trazidos pelas catástrofes,
o mundo seria um céu para muito de nós.

Não é que desejamos o céu, é que borramos de medo do inferno.
Acredito na espiritualidade em que a entrega é total,
e a felicidade e a segurança vem dessa entrega...
Criamos um deus moldável e mais o menos,
um deus simpatizante a tudo que é pecado em nós...

Ah! como eu amo à entrega a DEUS de Santa Rita de Cássia,
Os estigmas de são Francismo de Assis,
Esses santo de penitências mortificadoras, são os escolhidos de DEUS.

Salomão Alcântara
 J.Nunez

Nenhum comentário:

Postar um comentário