participação da mulher na força de trabalho nos diferentes países do mundo

A taxa de participação das mulheres no mercado de trabalho é um indicador importante para analisar a evolução dos níveis de desigualdade de gênero existentes em uma sociedade. A inserção no mercado de trabalho é um indicador relevante de avanço para as mulheres, já que constitui um fator cada vez mais importante para aumentar o seu grau de autonomia pessoal, assim como seus níveis de bem-estar (próprio e de suas famílias). (ABRAMO, 2003, p. 2)


Se há diferenças na participação da mulher na força de trabalho nos diferentes países do mundo – muitas vezes em função de seu nível de desenvolvimento econômico e social – no Brasil, apesar de as regiões terem características diferenciadas, a participação feminina é bastante homogênea. Em todas as grandes regiões, as mulheres correspondem a mais de 40% da PEA, o que demonstra um expressivo movimento de conquista de espaço na atividade econômica. (DIEESE, 2001, p. 104). 


 enquanto a taxa de participação dos homens declinou de forma praticamente contínua, acumulando uma queda de aproximadamente 4 pontos percentuais (p.p.) - de 75,0%, em 1992, para 71,3%, em 2005 -, a taxa de participação feminina apresentou aumento, também de modo paulatino, de cerca de 7 p.p. no mesmo período, partindo de 42,4% em 1992 e atingindo 49,1% em 2005. (RAMOS, 2007, p. 21). 


decorrente da redução de obstáculos de natureza não econômica ao seu ingresso no mercado de trabalho e, também, da necessidade de complementação dos orçamentos familiares, fator que, por certo, influenciou muito a mudança de postura cultural em relação ao trabalho feminino. (RAMOS, 2007, p. 21).

Nenhum comentário:

Postar um comentário