“consciência bancária”

 Paulo Freire (1983, p. 38) : O educando recebe passivamente os conhecimentos, tornando-se um depósito do educador. Educa-se para arquivar o que se deposita. Mas o curioso é que o arquivado é o próprio homem, que perde assim seu poder de criar, se faz menos homem, é uma peça.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário