Trabalho Uninter: A Inclusão Digital nas Escolas do Estado de São Paulo


A Inclusão Digital nas Escolas do Estado de São Paulo



 
 A tecnologia nas escolas de São Paulo a serviço da Inclusão Digital   


As escolas do Estado de São Paulo a partir  dessa segunda semana de outubro  já podem usufruir dos avanços que a tecnologia pode trazer para a sala de aula. A ALESP (Assembleia Legislativa de São Paulo) aprovou, nesta quarta-feira (11), o projeto de lei 860/2016, que altera a lei 12.730/2007, que proibia o uso de celulares em escolas estaduais. A proposta foi encaminhada pelo governador Geraldo Alckmin, em 2016, após pedido feito pelo secretário da Educação, José Renato Nalini. Com as mudanças, crianças e jovens dos ensinos fundamental e médio  poderão utilizar aparelhos em sala de aula em atividades pedagógicas e orientadas por educadores.
            Agora, o projeto de lei segue para sanção do governador. “O ensino prelecional está sendo questionado em todos os ambientes. Se quisermos manter o aluno interessado em aprender, temos de usar a linguagem dele. A linguagem de seu tempo”, afirma Nalini.
 Wi-fi e banda larga nas Escolas do Estado de São Paulo
Para melhorar o acesso dos alunos e dos professores a esse avanço relacionado a democratização do conhecimento que só a Era da Informação pode oferecer, até outubro de 2018, todas as 5 mil escolas estaduais serão equipadas com sistema wi-fi e banda larga. A novidade faz parte do novo plano tecnológico anunciado pelo governo de São Paulo e que irá modernizar a rede. A instalação da internet sem fio terá início nas salas dos professores e de informática. As unidades que participam do Escola da Família também poderão utilizar a conexão aos fins de semana, em áreas indicadas por cada equipe gestora.
O sinal também estará mais rápido. Dois links vão abastecer as escolas: Intragov (do governo estadual e já existente) e Telefônica. O reforço garante a conexão permanente e a possibilidade de distribuir o sinal entre atividades pedagógicas e administrativas. Além disso, a velocidade será ampliada. Importante: o monitoramento e filtro de conteúdo acessado pelos estudantes será mantido.
Como tudo que é mudança e novidade, esse projeto pode encontrar alguma resistência e muita crítica quanto a sua execução, porém, em longo prazo, veremos que não há outro caminho possível para a educação na Era dos Computadores a não ser incluí-los ao dia a dia das salas de aulas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Educação Marília

Idep

WWW.CIDADEDEMARILIA.COM

Ideb: Marília ficou em segundo lugar no Estado, atrás apenas de Indaiatuba

A Rede Municipal de Ensino de Marília obteve a nota 7,2 no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), que é a maior desde q...