TRABALHO UNINTER: O DIREITO DE DESENVOLVER E COMPREENDER O MUNDO



O DIREITO A EDUCAÇÃO
O DIREITO DE DESENVOLVER E COMPREENDER O MUNDO

         O desenvolvimento cognitivo é um direito adquirido e inato; como é inata a capacidade de aprender de cada individuo. Nascemos com a capacidade de desenvolver e aprender, porém estamos sujeitos a uma “sorte”  de ter nascidos em um meio mais culto e que valoriza a educação, ou o” azar" (por falta de outra palavra) de nascermos em um meio onde não se valoriza a aprendizagem, e seremos muitos prejudicados por falta de oportunidades e incentivos. 
Um indivíduo aprende quase que mecanicamente quando exposto ao conhecimento e dentro de um ambiente de aprendizagens significantes e  diversificadas. Filhos de pais que praticam a leitura, ou que ainda estudam, são estimulados o tempo todo pelo conhecimento, muito diferente são os filhos de pessoas com pouca instrução e pouco  tem a acrescentar a aprendizagem da criança. Podemos afirmar que muitas crianças de comunidades muito pobres possuem apenas os professores e a escola como local de aprendizagem significativa.  Muitas dessas crianças fora das escolas e sem o contato com os professores, aprenderão apenas aquilo que perpetua o ciclo de pobreza e ignorância. 
A capacidade de compreender a vida passa naturalmente pelo mundo da palavra e do pensamento. Naturalmente, pensamos através da língua, que é a ferramenta que organiza o mundo. Sem as palavras ou a língua através da qual pensamos, nosso mundo interior seria uma perturbadora associação de imagens, e não seriamos capazes de ir muito além dos instintos porque a capacidade de raciocinar passa naturalmente pela língua.
O direito de aprender é o mesmo que o direito de desenvolver-se no mundo e compreende-lo  e compreender-se através de uma determinada língua.
Quando os governos negam à população mais carente o direito de aprender, está negando a essa população o direito de desenvolvimento e a capacidade de compreender, viver e interagir no mundo. 
Podemos negar a nós mesmos essa capacidade de aprender quando não compreendemos o valor do conhecimento, mais especificamente o valor da língua e das linguagens.

A riqueza de nosso vocabulário nos permite uma melhor compreensão do mundo  e de nós mesmos, sentir e saber nomear o que estamos sentindo e ser capazes de fazer  associações  nos leva a uma melhor compreensão de nós mesmos. É fato que o  pensamento nasce das palavras e das imagens associadas à língua ou a uma linguagem.
As pessoas com deficiências auditivas, em casos muitos graves,  privadas  da linguagem ou língua  falada; interagem com o mundo de um modo muito especial, com uma Língua de Sinais, que permite a elas interagir e associar os pensamentos com as imagens, assim podem pensar, desenvolver e compreender o mundo através desse modo apropriado de comunicar e pensar. 
Quando as políticas de educação limitam à formação dos indivíduos a seus interesses econômicos, sociais, culturais e políticos, negam isso que já nasce com o ser humano, que é o direito de desenvolver-se e compreender o mundo. 
O verdadeiro direito de aprender não deve ser pautado por interesses de governos. Essas limitações, segundo as políticas de educação, tornam desumanas na medida em que observamos o direito e a capacidade humana de aprender ilimitadamente. Essas inteligências são ainda muito específicas e individualizadas, porém todas elas passam pela língua através  da qual aprendem,  comunicam e interagem com o que foi aprendido. A capacidade de comunicar através de uma língua é o mecanismo de compreensão do mundo e pode levar o individuo a uma vida mais evoluída , feliz e sadia. 
O desenvolvimento  cognitivo através da língua, no caso das pessoas com necessidades especiais auditivas, o  desenvolvimento em uma língua apropriada, é um direito natural e inerente a todos os seres humanos, podemos afirmar isso, considerando que estamos no mundo para aprender, evoluir  e desenvolver-nos, sem limites. 
Portfólio google.com/presentation:   https://docs.google.com/presentation/d/1tAkSxb46JaTUFxIkHQKM85kzJKq3fOa6yP4GZnEHybs/edit#slide=id.g3bdef6419f_4_47

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Educação Marília

Idep

WWW.CIDADEDEMARILIA.COM

Ideb: Marília ficou em segundo lugar no Estado, atrás apenas de Indaiatuba

A Rede Municipal de Ensino de Marília obteve a nota 7,2 no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), que é a maior desde q...