Mantoan (2006c, p.54, 55)

Mantoan (2006c, p.54, 55) “Ensinar, na perspectiva inclusiva, significa ressignificar o papel do professor, da escola, da educação e de práticas pedagógicas que são usais no contexto excludente do nosso ensino, em todos os níveis”


O pensamento verbal não é uma forma de comportamento natural e inata, mas é determinado por um processo histórico-cultural e tem propriedades e leis específicas que não podem ser encontradas nas formas naturais de pensamento e fala. Uma vez admitido o caráter histórico do pensamento verbal, devemos considerá-lo sujeito a todas as premissas do materialismo histórico, que são válidas para qualquer fenômeno histórico na sociedade humana. (VYGOTSKY, 2005, p.63)

Beyer (2006, p.14) “as escolas especiais não eram segregadoras , pelo contrário, ingressaram pela primeira vez as crianças com deficiência no sistema escolar”


 Hoffman (2001, p.20), No processo individual de construção do conhecimento pelo indivíduo, há que se levar em consideração as condições cambiantes do seu meio e da complexidade crescente das relações que estabelece com ele. Há que se considerar, portanto, a investigação e compreensão das diferenças entre os alunos e de suas limitações como uma das mais significativas tarefas docentes e não como entrave ou empecilho à tarefa do professor. 


Hoffman (2001, p.18) afirma que “A prática avaliativa nas escolas e universidades vem sendo criticada por negar e/ou desrespeitar as diferenças individuais dos educandos, em quaisquer áreas do desenvolvimento (social, intelectual, moral, física)”.



Sassaki (1995, p. 4), : Respeita[r] o potencial de cada aluno e aceita[r] todos os estudantes igualmente; adota[r] uma abordagem que propicie ajuda na solução de problemas e dificuldades; acredita[r] que todos os educandos conseguem desenvolver habilidades básicas; estimula[r] os educandos a direcionarem seu aprendizado de modo a aumentar sua autoconfiança, a participar mais plenamente na sociedade, a usar mais o seu poder pessoal e a desafiar a sociedade para a mudança; [ser] flexível nos métodos de avaliação pois sabe que os testes, provas e exames provocam medo e ansiedade nos alunos; [ser] um bom ouvinte para que os alunos possam falar sobre a realidade da vida que levam; adota[r] a abordagem centrada-no-aluno e ajuda[r] os estudantes a desenvolverem habilidades para o uso do poder pessoal no processo de mudança da sociedade. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário