Senado: Comissão de Educação promoveu nesta quarta-feira (22) audiência pública para debater a violência nas escolas pública do país.

A Comissão de Educação promoveu nesta quarta-feira (22) audiência pública para debater a violência nas escolas pública do país. Participaram da reunião representantes de secretarias estaduais e municipais, além do Ministério da Educação.
De acordo com a pesquisa Prova Brasil, divulgada este ano, mais da metade dos educadores de escolas públicas afirmam ter presenciado agressões físicas ou verbais de alunos a funcionários e professores. Para Aura Liane de Souza, da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro, a escola precisa ser um espaço que ajude no combate à violência que muitas vezes os alunos vivenciam na rua ou em casa.
— A partir do momento que a gente consegue colocar protocolos de segurança, essa escola tem que se tornar uma escola viva, plural, que tenha oportunidades para essas crianças, visto que o impacto externo é que faz com que eles levem as posturas violentas — declarou.
O senador Roberto Muniz (PP-BA) afirmou que um dos motivos para a violência pode ser a falta de incentivo à educação emocional nas escolas.
— O que faz as pessoas melhores é a sua capacidade de conviver e gerenciar seus sentimentos. Nós precisamos enfrentar essa questão da educação emocional como algo fundamental no nosso país.
O diretor de Políticas de Educação em Direitos Humanos do Ministério da Educação, Daniel Ximenes, destacou que o ambiente escolar é fundamental para que os estudantes aprendam a conviver com as diferenças. Por isso, o MEC está desenvolvendo ferramentas para promover a conscientização e o respeito na educação básica.
— Vamos trabalhar uma plataforma de educação e direitos humanos que vai abordar fortemente a temática do bullying, do preconceito, da violência e da discriminação. Nós temos que entender que formação não é só estar em um curso — alertou.
Também participaram da reunião representantes da Secretaria de Educação do Distrito Federal, do Programa Paz nas Escolas e do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.
Da Rádio Senado
Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Nenhum comentário:

Postar um comentário