Aos 17, aluna coordena projeto sobre representatividade feminina e publica artigo em revista internacional

06/10/17

Aos 17, aluna coordena projeto sobre representatividade feminina e publica artigo em revista internacional

Categoria
Estudante tratou de educação de meninas em países subdesenvolvidos e usou projeto autoral como case

Ajudar a tornar o mundo um lugar mais justo para mulheres e meninas é o objetivo de Raphaele Godinho, aluna da Escola de Tempo Integral Prof. José Pinto do Amaral, de Mairinque. Com apenas 17 anos, ela coordena o Projeto Resgatando e Valorizando a Mulher, cujo trabalho consiste em realizar eventos para levar mais informação sobre o papel feminino na sociedade.
Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook
Raphaele conta que a ideia surgiu ao perceber que a representatividade dos homens na literatura, matemática e estudos, por exemplo, ainda é muito superior à de mulheres. “Então, o projeto nasceu com a ideia de representar mais as mulheres e motivar as meninas a frequentarem mais a escola, se tornarem pesquisadores e fazerem a diferença no mundo”, acrescentou.
Nos eventos organizados pela aluna, desde 2014, os temas passeiam sobre machismo, violência contra mulher e desigualdade, com painéis temáticos e rodas de conversas com outros adolescentes.
O desempenho e o baixo custo para aplicar a atividade na comunidade chamou a atenção da internacional Change Magazine, revista que circula em países asiáticos como China, Tailandia e Japão, preza pelo desenvolvimento e boas ações ao redor do mundo e tem parceria com a Unesco e banco de ongs pelo mundo inteiro. “O projeto é aplicado em regiões carentes e a principal artimanha dele é o diálogo, não tem gasto”, explicou.
Em seu artigo escrito em inglês, a aluna falou sobre educação de meninas em países subdesenvolvidos usando o próprio projeto como case. O texto foi publicado na edição de outubro da revista e a aluna foi premiada com quantia em dinheiro.
Figura conhecida
Raphaele já é uma figura conhecida por aqui. Seu empenho em tratar de questões sociais levou a adolescente à classificação de programas ligados à vivência em processos democráticos, como o Parlamento Jovem Brasileiro e Parlamento Jovem do Mercosul, com isso, a jovem já foi parlamentar em Brasília e em Montevideo, no Uruguai. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário