estudar exclusão

[...] estudar exclusão pelas emoções dos que a vivem é refletir sobre o ‘cuidado’ que o Estado tem com seus cidadãos (Sawaia, 2002: 99).


O homem, na sua essência, é um ser inacabado, num processo contínuo de vir a ser, mediado pelo acesso às interações sociais”. (GADOTTI, 1999, p. 44)”


“essa inserção nem sempre é decente e digna, sendo a grande maioria da humanidade inserida na sociedade através da insuficiência e das privações”. (Sawaia, 2002)



“o desenvolvimento de qualquer sujeito está articulado com sua
constituição orgânica mas é fundado, constituído na vida coletiva” (FERREIRA 2005)


As definições do público alvo devem ser contextualizadas e não se esgotam na mera categorização e especificações atribuídas a um quadro de deficiência, transtornos, distúrbios e aptidões. Considera-se que as pessoas se modificam continuamente transformando o contexto no qual se inserem. Esse dinamismo exige uma atuação pedagógica voltada para alterar a situação de exclusão, enfatizando a importância de ambientes heterogêneos que promovam a aprendizagem de todos os alunos.(Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, Janeiro de 2008)