Sem querer poder negar a desesperança como algo concreto

 Sem querer poder negar a desesperança como algo concreto e sem deconhecer as razões históricas, econômicas e sociais que a explicam, não entendo a existência humana e a necessária luta para fazê-la melhor, sem esperança,sem sonho.A esperança é necessidade ontológica, a desesperança, a esperança que, perdendo o endereço, se torna distorçãoda necessidade ontológica. Como programa, a desesperança nos imobiiza e nos faz sucumbir no fatalismo onde não é possível juntar as forças indispensáveis ao embate recriador do mundo. Não sou esperançoso por pura teimosia, mas por imperativo existencial e histórico."
                                                                                                                                          Paulo Freire