Nagel (s/d, p.03)

Nagel (s/d, p.03):  A multiplicação de atitudes socialmente inusitadas, inconvenientes, nos níveis dos conflitos domésticos, insucessos na vida e violência urbana, leva a jornais, revistas, documentários e filmes a colocarem na berlinda apenas a família e a escola. Absolvidas outras instituições ou outras figuras da sociedade com seus papéis definidos, como médicos, psicólogos, advogados, entre outras, apenas pais e professores começam a se sentirem impelidos (mas sem força) a educar sob novos parâmetros. Paralela a essa conscientização, vai aumentando a procura por psicólogos (independentemente de sua maior ou menor compreensão sobre cultura & educação) com o objetivo de diminuir os conflitos presentes no dia-a-dia. É o momento que cresce o poder editorial de uma Tânia Zagury, de um Içami Tiba. É a hora em que o processo educativo pode ser pensado de uma forma mais crítica sob uma perspectiva corretiva, embora pleno de contradições

Nenhum comentário:

Postar um comentário