gestão democrática

.Se, todavia, concebemos a comunidade – para cujos interesses a educação escolar deve voltar-se – como real substrato de um processo de democratização das relações na escola, parece-me absurda a proposição de uma gestão democraática que não suponha a comunidade como sua parte integrante (PARO, 200, p. 15).

Nenhum comentário:

Postar um comentário