EDUCAÇÃO

“(...) os nossos guardiões, isentos de todos outros ofícios, devem ser os artíficies muito de liberdade do Estado, e de nada mais devem ocupar que não diga respeito a isso, não hão de fazer ou imitar qualquer coisa. Se imitarem, que imitem o que lhes convém desde a infância: coragem, sensatez, pureza, liberdade e todas as qualidades dessa espécie. Mas a baixeza, não devem praticá-la nem ser capaz de a imitar, nem nenhum dos outros vícios, a fim de que, partindo da imitação passem ao gozo da realidade”. (PLATÃO 2003 395a – e p 86-87)