a sociedade não poderia

Durkheim, “a sociedade não poderia existir sem que houvesse em seus membros certa homogeneidade, fixando de antemão na alma da criança certas similitudes essenciais, reclamadas pela vida coletiva”.