Ato de escrever e educação

escrever: “[...] exige alto grau de abstração: ao aprender a escrever, a criança precisa desligar-se do aspecto sensorial da fala e substituir palavras por imagens de palavras”. (CARDOSO, 2000, p. 138).


 “[...] Fala e escrita são, portanto, duas modalidades da língua. Assim, embora se utilizem do mesmo sistema linguístico, cada uma delas possui características próprias. Ou seja, a escrita não constitui mera transcrição da fala, como muitas vezes se pensa”. (KOCH, 2009, p. 14).


“[...] uma responsabilidade compartilhada entre os que aprendem, entre os alunos como sujeitos ativos de suas próprias aprendizagens e o professor, como guia e apoio, que serve de mediador entre os alunos e a cultura”. (GARCÍA, 2001, p. 24). 



[...] não significa restringir a ação de escrever aos aspectos mecânicos da escrita ou mero domínio de um código que permita a tradução da oralidade à figuração traçada na página escrita. Não é a escrita, mera transcrição gráfica da fala, mas negociação de sentidos com interlocutores outros, que pelo fato de serem apenas potenciais, se fazem mais exigentes e fazem da página que se escreve, lugar mais amplo dos muitos sentidos.  (MARQUES, 2001, p. 42).


 “[...] antes de ser um objeto escolar, a escrita é um objeto social. Assim, a tarefa da escola é levar o aluno a perceber o significado funcional da escrita (e da leitura), propiciando-lhe o contato com as várias maneiras como ela é veiculada socialmente”. (PASSARELLI, 2001, p. 19).


“[...] as críticas se avolumam e parece que o ensino da língua cada vez mais é acusado de ser o responsável pela ineficiência dos alunos no que refere à recepção e produção de textos orais e escritos”. (ROCHA, 2001, p. 21).

“[...] ato ou atividade de conhecer, realizado por meio da razão e/ou da experiência; apreender intelectualmente; cognição, percepção, entendimento; domínio teórico ou prático de um assunto, uma arte, uma ciência, uma técnica; competência, experiência, prática”. (HOUAISS, 2001, p. 802).


[...] Quanto antes os estímulos vierem, mais chances a criança terá de se tornar um adulto bem-sucedido. [...] A educação é crucial para o avanço de um país – e, quanto antes chegar às pessoas, maior será o seu efeito e mais barato ela custará. [...] Como esperar que alguém que domine tão poucas palavras consiga aprender as estruturas mais complexas de uma língua, necessárias para o aprendizado de qualquer disciplina? Por isso, as lacunas da primeira infância atrapalham tanto. Sempre as comparo aos alicerces de um prédio. Se a base for ruim, o edifício desmoronará. (HECKMAN, 2009, p. 21/24/25).


[...] o conhecer começa com a experiência pessoal que, amplificada pela informação, se transforma em compreensão por meio da construção de conhecimento”. (Wells, 2001a, p.104). [...] 



Os processos de escrita constituem, ao mesmo tempo, modos de transformação social, de intervenção dos indivíduos nos entornos sociais a que pertencem. (MORAES, 2007, p. 214).

Nenhum comentário:

Postar um comentário