Administração Científica

Chiavenato (2000, p. 7), “Administração Científica é o nome que recebeu por causa da tentativa de aplicação dos métodos da ciência aos problemas da administração, a fim de alcançar elevada eficiência industrial.”
           
           “Sua preocupação original foi tentar eliminar o fantasma do desperdício e das perdas sofridas pelas indústrias americanas e elevar os níveis de produtividade por meio da aplicação de métodos e técnicas da engenharia industrial”. (CHIAVENATO, 2000, p. 7).
           
           
          (2000, p. 7),a reelaboração da tarefa para fazer com que os movimentos sejam mais simples e rápidos; o desenvolvimento de padrões mais eficientes de movimento para os trabalhadores fazendo-os produzirem mais rapidamente porém com menor fadiga; o estabelecimento de padrões para que certas tarefas usadas como base para a determinação de escalas de pagamento e como critérios de avaliação dos trabalhadores; e por fim o desenvolvimento de uma descrição completa de tarefas para ajudar no processo de recrutamento e seleção,orientação e treinamento de novos trabalhadores.

           “A essência da administração é o ser humano. Seu objetivo é tornar as pessoas capazes do desempenho em conjunto, tornar suas forças eficazes e suas fraquezas irrelevantes. Isso é a organização e a administração é o fator determinante”. (DRUCKER, 2001).
           
“A administração existe em função dos resultados da instituição. Tem de começar com os resultados pretendidos e de organizar os recursos da instituição de modo que atinja esses resultados. É o órgão que faz com que a instituição – empresa, universidade, hospital – seja capaz de produzir resultados fora dela própria”. (DRUCKER, 2001).
           
           “O estudo de Taylor teve como base inicial o trabalho individual, indo das partes para o todo. Fayol fez o caminho inverso: vê a empresa de cima para baixo partindo do todo (empresa) para as suas partes (diferentes áreas ou departamentos)”. (RIBEIRO, 2004, p. 40).
            
 “funções administrativas são as próprias funções do administrador, isto é, para Fayol elas englobam os chamados elementos da administração”. (CHIAVENATO, 2000, p. 12).
           
          
“As origens desta escola são provenientes do antagonismo existente entre a Teoria Clássica e a Teoria das Relações Humanas, que não conseguiam apresentar uma visão geral da organização. Assim, a burocracia surge da necessidade de criar um modelo organizacional que considerasse todos os aspectos organizacionais, fossem eles humanos ou estruturais”. (RIBEIRO, 2004).

            “O termo burocracia não é aquele atribuído pejorativamente pela sociedade, mas o de atender efetivamente à organização formal dentro de padrões de racionalidade e eficiência. Burocracia é a organização eficiente por excelência” (CHIAVENATO, 2000, p. 14).
           
“a burocracia não é um sistema social, antes de mais nada, burocracia é poder” (MOTTA, 1980).
           
              “A burocracia enfatiza os cargos e não as pessoas que os ocupam”. (CHIAVENATO, 2000, p. 15). 
           Chiavenato (2000, p. 17) “a estas conseqüências imprevistas dá-se o nome de disfunções da burocracia”. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário