O livro didático, ensino de língua estrangeira - Almeida Filho (2005: 19)


Almeida Filho (2005: 19): A estrutura dos cursos e materiais convencionais é excessivamente rígida, arbitrária, e dela é difícil escapar. O livro didático traz o ‘prato feito’ e as tentativas de modificá-lo requerem formação profissional sólida e bastante tempo disponível para levar a efeito a sua reformulação fundamentada.

“uma forte tendência para se valorizar um ensino e uma aprendizagem comunicativos de uma língua-alvo” (ALMEIDA FILHO, 2005: 78).

As implicações de uma abordagem de ensino de LE que priorize as formas ao nível de sistema de língua-alvo não se exaurem na crítica de pressupostos e materiais de ensino. Ao nível ideológico, também as experiências de linguagem que essa prática específica enseja a quem quer aprender uma língua estrangeira representa um alto custo. Em termos de conteúdos socialmente relevantes ou mesmo transformadores, ela se caracteriza como plenamente estéril. O atendimento à forma tem causado uma simplificação da linguagem que por sua vez reduz a verossimilhança com as negociações, conflitos e desencontros próprios da vida. (ALMEIDA FILHO, 2005: 19-20)

Nenhum comentário:

Postar um comentário