A presença e a figura do pai (FRANÇA ,1997, p. 165)

"O parricídio e o devoramento de um pai despótico levam Freud a observar que ? o pai morto se torna mais forte que o vivo", pois no lugar de uma lei tirânica do pai onipotente surge um acordo entre os irmãos culpados, ou seja, cria-se uma lei simbólica, à qual todos se sujeitam, "o poder do indivíduo é substituída pelo poder da coletividade" (FRANÇA ,1997, p. 165).


"Assim, seu anseio por um pai constitui um motivo idêntico à sua necessidade de proteção contra as conseqüências de sua debilidade humana. É a defesa contra esse desamparo infantil que empresta suas feições características à reação do adulto ao desamparo que ele tem de reconhecer ? reação que é, exatamente, a formação da religião"(SANTOS, 2007).


 "só na polis se pode encontrar aquilo que abrange as esferas da vida espiritual e humana e determina de modo decisivo a sua estrutura" (JAEGER (2001) p. 107). 


"o homem precisa da virtude para inserir-se na sociedade" (SEVERINO, 2006).

Nenhum comentário:

Postar um comentário