MORIN, Edgar, 1921 -- Os sete saberes necessários à educação do futuro

A ética da compreensão é a arte de viver que nos demanda, em primeiro lugar, compreender de modo desinteressado.
Demanda grande esforço, pois não pode esperar nenhuma reciprocidade: aquele que é ameaçado de morte por um fanático compreende por que o fanático quer matá-lo, sabendo que este jamais o compreenderá.
Compreender o fanático que é incapaz de nos compreender é compreender as raízes, as formas e as manifestações do fanatismo humano.
É compreender porque e como se odeia ou se despreza.
A ética da compreensão pede que se compreenda a incompreensão.
A ética da compreensão pede que se argumente, que se refute em vez de excomungar e anatematizar.
Encerrar na noção de traidor o que decorre da inteligibilidade mais ampla impede que se reconheça o erro, os desvios, as ideologias, as derivas.
A compreensão não desculpa nem acusa: pede que se evite a condenação peremptória, irremediável, como se nós mesmos nunca tivéssemos conhecido a fraqueza nem cometido erros.
Se soubermos compreender antes de condenar, estaremos no caminho da humanização das relações humanas.(.....)         
 MORIN, Edgar, 1921 -- Os sete saberes necessários à educação do futuro / Edgar Morin; tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya; revisão técnica de Edgar de Assis Carvalho. -- 5.ed. -- São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2002.
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário